02/07/2009

A CONQUISTA DE JERICÓ


Texto áureo.

Grego:

Πίστει τὰ τείχη Ἱεριχὼ ἔπεσε κυκλωθέντα ἐπὶ ἑπτὰ ἡμέρας. Hebreus 11:30

Tradução: Por fé as muralhas de Jericó caíram tendo sido rodeadas por sete dias.

Comentando o Texto Áureo

·Πίστει – Písti - (Por) fé

No grego do Novo Testamento, a palavra grega para fé é:

πίστει. – písti.

ETIMOLOGIA: “persuasão firme”.

O termo PERSUASÃO, vem do grego πεισμωνη - pismoní = “Ato de convencer com certeza e convicção”.

OBS.: A Fé convence o crente dando-lhe certeza e convicção a respeito de Deus, Jesus, o Espírito Santo, a Igreja...

A grande e indivisível recomendação bíblica

para o crente é: Batalhar pela Fé (Judas 3)

ἐπαγωνίζεσθαι τῇ πίστει

Epagonízesthe ti písti

Batalhar pela fé

·τὰ - ta - as

·τείχη - tíchi - muralhas.

MURALHA (no singular grego) é τείχoς – tíchos

Em hebraico, muralha é chomah (rromá).

Etimologias:

1. Muro de dimensões avantajadas que guarnece uma fortaleza.

2. Paredão.

3. Uma parede extensa, magnífica, poderosa e avantajada.

·Ἱεριχὼ - Ierichõ à de Jericó.

JERICÓ

A mais antiga cidade do passado bíblico, com status de fortaleza intransponível. A idade da cidade girava em torno de 1100 anos.

Fortaleza dos amorreus – um povo 100% guerreiro, procedente da antiga cidade de Ebla, localizada ao norte da Síria.

Jericó era protegida por duas antigas muralhas de cerca de 9 a 10 metros de altura, com 6 metros de espessura. Os muros era ferrolhos inquebráveis de pedras, com casas retangulares e espaçosas sobre os mesmos, além de duas grandes torres:

a) A Muralha de fora media 3 metros de largura.

b) A muralha de dentro media 6 metros de largura e ficava a uma distância de 5 metros da primeira muralha. Uma cidade intransponível.

Divindade de Jericó: MOLOQUE (as crianças da cidade eram oferecidas a ele como oferta queimada a demônios).

JERICÓ – dentro duma mensagem figurativa, representa problemas antigos, inquebráveis...

A expectativa de Jericó diante de Israel: MEDO!

A expectativa de Josué ao olhar Jericó: RECEIO...

DEUS doou a Josué o mapa da vitória, isto é, mostrou-lhe o caminho para derrotar o ferrolho cananeu: Js 5:13-6:5

As Muralhas que enfrentamos hoje: Desemprego, Enfermidades, Baixa-estima... são MALDIÇÕES com feições de ferrolhos inquebráveis...

OBS: A vida cotidiana sempre reservou-nos inimigos gigantêscos, adversários descomunais. Deus, porém, sempre terá à disposição de Seus filhos mapas condutores de grandes e retumbantes vitórias. O caminho da vitória do povo de Deus nem sempre obedece regras convencionais, Não importa, pois, de Deus é a Guerra!!!!!

·ἔπεσε - épese - caíram

Cair, em grego, é πέφτω – péfto.

Em hebraico, cair é nafal.

Etimologias:

1.Ir ao menor grau, desabando, tombando, abatendo-se.

2.Desmoronar-se à parte baixa, inferior.



·κυκλωθέντα - kyklothénda à tendo sido rodeadas.

Rodear, em grego, é φωλιάζω – foliázo

Em hebraico, rodear é sovev

Etimologias:

1. Andar à roda de.

2. Estreitando apertando em roda.

3. Girar em torno ou em volta de.

Nota: A primeira indicação do mapa da vitória sobre Jericó consistia em dar 13 (treze) voltas em torno da inexpugnável muralha. A segunda indicação: Gritar diante da muralha. Gritar olhando para a muralha. Gritar contra a muralha. HÁ COISAS QUE SÓ DEUS FAZ.

·ἐπὶ - epî - por

·ἑπτὰ - epta - sete

·ἡμέρας. - iméras - dias.

Verdade prática.

“Fé em Deus” e obediência aos seus desígnios são virtudes imprescindíveis àqueles que desejam superar todos os obstáculos da vida espiritual.

Obediência, em grego, é υπακοή

Etimologias: Obedecer com dependência e sujeição. “adaptar-se a alguém ou a alguma coisa”.

Josué 6:1-5, 15-16, 20

Capitulo 6

1 Ora Jericó estava rigorosamente fechada por causa dos filhos de Israel (as notícias desse povo vinculavam-no a um elohiym estranho aos elohiym dos cananeus); ninguém saía nem entrava (na grande cidade).

2 Então disse o SENHOR a Josué: Olha, tenho dado na tua mão a Jericó, ao seu rei (Jericó era uma monarquia) e aos seus homens valorosos (grandes guerreiros).

3 Vós, pois, todos os homens de guerra, rodeareis a cidade, cercando-a uma vez; assim fareis por seis dias.

4 E sete sacerdotes levarão sete buzinas de chifres de carneiros adiante da arca, e no sétimo dia rodeareis a cidade sete vezes, e os sacerdotes tocarão as buzinas (final de 13 voltas. 6+7 = 13).

5 E será que, tocando-se prolongadamente a buzina de carneiro, ouvindo vós o seu sonido, todo o povo gritará com grande brado; e o muro da cidade cairá abaixo, e o povo subirá por ele, cada um em frente.

15 E sucedeu que, ao sétimo dia, madrugaram ao subir da alva, e da mesma maneira rodearam a cidade sete vezes; naquele dia somente rodearam a cidade sete vezes.

16 E sucedeu que, tocando os sacerdotes pela sétima vez as buzinas, disse Josué ao povo: Gritai, porque o SENHOR vos tem dado a cidade.

20 Gritou, pois, o povo, tocando os sacerdotes as buzinas; e sucedeu que, ouvindo o povo o sonido da buzina, gritou o povo com grande brado; e o muro caiu abaixo, e o povo subiu à cidade, cada um em frente de si, e tomaram a cidade.

Os 4 Pelotões de Josué

em Torno de Jericó

1. O Primeiro Pelotão: Os Guerreiros armados (o povo da vanguarda: os guerreiros armados).

a)Guerreiros (é preciso ter estígma de guerreiro).

b)Guerreiros protetores do segundo pelotão: O Pelotão das Trombetas (em sonido). Obs: crentes guerreiros que dão sustentação ao ministério da Palavra de Deus.

CRENTES armados da Palavra, da Oração, armados do jejum, armados da consagração....

2. O Segundo Pelotão: Sete Sacerdotes tocando trombetas. Trombetas de chifre de carneiro.

TROMBETA: A Palavra de Deus.

O CHIFRE: Simboliza o poder da trombeta.

O CARNEIRO: Representa Jesus na trombeta.

TROMBETAS DE CHIFRE DE CARNEIRO simbolizam a pregação e o ensino da Palavra de Deus com poder. OBS: Este segundo pelotão dá sustentação ao terceiro pelotão – O pelotão da Arca da Aliança, isto é, da manifestação da Glória de Deus.

3. O Terceiro Pelotão: A Arca da Aliança conduzida por 4 levitas. LEVITAS: Símbolo de cooperadores. A Glória de Deus não é privilégio de grã-finos, mas de servos de Deus..

4. O Quarto Pelotão: O Batalhão de retaguarda.

APARENTEMENTE, o grupo da retaguarda tem feições de grupo dispersivo. Será!!!!!????????

OS GUERREIROS DA RETAGUARDA fazem parte do plano de Deus para derrubar muralhas infernais... muralhas velhas e velhas muralhas..... ESTE GRUPO representa os guerreiros de Deus que nunca aparecem...

Jericó foi a primeira visão física de Josué ao penetrar no território de Canaã. Uma terrível visão. Jericó encontrava-se exatamente no princípio de sua jornada em Canaã. Manifestava-se como um desafio difícil de ser batido. Jericó não era apenas uma cidade, e sim a mais antiga cidade sobre a terra. A cidade dos ferrenhos amorreus. A cidade de Moloque, a grande divindade que tragava crianças vivas no incinerador que trazia na altura do ventre. Jericó simbolizava obstáculo, desafio, barreira, paredão, medo, pânico. FOI DENTRO DESSE CENÁRIO que Deus manifestou-Se a Josué, dizendo: “Então disse o SENHOR (YHWH) a Josué: Olha, tenho dado na tua mão a Jericó, ao seu rei e aos seus homens valorosos” Js 6:2.

...tenho dado na tua mão a Jericó... Isto é: Já és vitorioso sobre Jericó!!!! Jericó já está derrotada por ti!!!! A Conquista já está garantida!!! A benção é tua, Josué!!!


I – JOSUÉ PREPARA O POVO PARA A CONQUISTA

6:1-5

O povo de Deus precisa saber como conquistar com segurança. Como conquistar de forma segura.

Há cristãos que jamais satisfazem-se de forma plena com bênçãos extraordinárias recebidas de Deus. Por quê? Porque não sabem conquistar!!!! Porque conquistam de forma inadequada!!!!

Conquistas, no universo da Bíblia, obedecem leis divinas.

O mais distinto preparo que Josué deu ao povo hebreu, para que Jericó e os cananeus fossem literalmente vencidos, foi:

a)Acampar o povo de Deus em Gilgal: O povo de Deus precisa de um lugar específico para cultuar a Deus. Gilgal aponta para a Igreja de Jesus. Povo de Deus sem Igreja é fraude, é povo derrotado. Antes de vencermos as muralhas da vida, é bíblico que o crente possua, antes, uma Igreja que adore a Deus.

b)Promover a Circuncisão dos hebreus do sexo masculino: A Circuncisão, em Israel, é a marca de Deus para que o homem seja conhecido e reconhecido como hebreu, povo de Deus. A CIRCUNCISÃO do Novo Testamento é o novo nascimento do crente. O Diabo jamais respeitará pastor, crente, dirigentes de Igrejas. Nunca! Jamais! Satanás respeita vidas transformadas pelo poder do Josué da Nova Aliança, Jesus.

C)Celebrar uma Páscoa especial a Deus: Páscoa, no Velho Testamento, indica libertação e salvação. 1º o povo de Deus foi liberto do Cativeiro Egípcio (DEPOIS) 2º Deus mesmo salvou o Seu povo das garras de Faraó. A PÁSCOA é um símbolo da Ceia do Senhor na Nova Aliança.

A Páscoa foi instituída pelo Pai; a Ceia foi instituída pelo Filho.

A Páscoa manifestou-se como um marco da libertação e salvação do povo hebreu; a Ceia do Senhor manifestou-se como memorial da Nova Aliança.

A Páscoa requeria dos hebreus que olhassem para trás, trazendo à memória o grande livramento do Senhor; A Ceia do Senhor tem por finalidade levar o crente a olhar para trás e lembrar-se:

1º Da morte de Jesus.

2º Do Sepultamento DEle.

3º Da ressurreição DELe.

Conclusão: Um crente sem Igreja (Gilgal), sem o novo nascimento (Circuncisão) e sem comunhão com Deus (Páscoa), jamais será um crente vencedor. Jamais.

II – JOSUÉ COMANDA A CONQUISTA DE JERICÓ

Na Velha Aliança Josué comandou a conquista dos hebreus.

Na Nova Aliança Jesus Cristo comanda a conquista dos cristãos.

Josué, yehoshua (Deus é a salvação), conduziu o povo de Deus à grande conquista terrena.

Na Nova Aliança, Jesus Cristo, a salvação revelada, conduz o povo de Deus à Canaã Celestial.

A Presença da Arca da Aliança.

A Arca da aliança era onde a justiça de Deus e o seu juízo para o pecado eram satisfeitos. Existem quase 200 referências no Antigo Testamento sobre a Arca.

A arca da aliança (também chamada "arca do Senhor", "arca de Deus", "arca da aliança do Senhor", "arca do testemunho" e "arca sagrada") era uma caixa retangular de madeira de acácia, medindo cerca de 1,20m de comprimento e 0,75m de largura x 0,75m de altura (Ex 25.10). Seu revestimento interno e sua cobertura externa eram de ouro puro batido. Na parte superior, ao redor, havia uma bordadura de ouro (Ex 25.11). Contudo, a tampa que cobria a arca, denominada de propiciatório (em hebraico kappõret, que significa "cobertura"), era de ouro maciço (Ex 25.17). Sobre o propiciatório, também de ouro maciço, havia dois querubins, um em cada extremidade da arca com as asas estendidas à frente um do outro, cobrindo o propiciatório (Ex 25.18-20). Do meio deles Deus se comunicava com o Seu povo (Ex 25.22). A arca era a única peça de mobília no Santo dos Santos do tabernáculo (e, posteriormente, do templo) e abrigava cópias das tábuas da lei (Ex 25.16; 2 Rs 11.12), um vaso com maná (Ex 16.33,34) e a vara de Arão (Nm 17.10). Mas quando, numa época posterior, foi colocada no lugar santíssimo do templo de Salomão, "Nada havia na arca senão só as duas tábuas de pedra, que Moisés ali pusera junto a Horebe, quando o Senhor fez aliança com os filhos de Israel, ao saírem da terra do Egito" (I Rs 8.9).

Antes da construção do templo, a arca da aliança era carregada por sacerdotes levitas (cf. 2 Cr 35.3) que usavam duas varas de acácia revestidas de ouro, fixas em argolas que ficavam na parte inferior da arca (Ex 25.12-15). Quem tocasse na arca da aliança era passível de morte (cf. 2 Sm 6.6,7).

A arca da aliança possuía dos significados distintos. O primeiro significado era simbolizar a presença protetora e orientadora de Deus no meio do Seu povo. No recôndito do santuário o Senhor revelava Sua vontade aos Seus servos (Moisés: Ex 25.22; 30.36; Arão: Lv 16.2; Josué: Js 7.6, etc.). Justamente por ser símbolo de Deus com Seu povo, a arca da aliança desempenhou um papel importantíssimo, como por exemplo, na travessia do rio Jordão (Js 3.4), na queda de Jericó (Js 6) e na cerimônia da memorização do pacto, no monte Ebal (Js 8.30-35).

O segundo significado, que na verdade é a expressão maior do primeiro, tem a ver com Jesus Cristo. "A arca tipificava o Senhor Jesus Cristo que intercede por nós detrás do véu". E ainda: "Verifica-se melhor a tipologia da arca em Números 10.33: 'A arca da aliança do Senhor ia adiante deles caminho de três dias, para lhes deparar lugar de descanso'. Jesus Cristo, o anti-tipo da arca, vai adiante dos Seus remidos explorando o caminho através do deserto deste mundo pecaminoso, e levando o Seu povo até à Canaã celestial". E conclui: "Assim como a arca ficou nas mãos dos filisteus durante certo tempo (cf. I Sm 5 e 6), o Messias foi cativo no sepulcro, mas depois ressuscitou com triunfo".

A Arca da Aliança, à frente do povo hebreu, significava a manifestação de Deus na vanguarda de Seu povo, à frente de Israel. DEle é a guerra. Aleluia!

Adelson R. Buenos
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

1 comentários:

Anônimo disse...

Muito Bom!
Que Deus continue a vos abençoar!