31/05/2010

A Bíblia – A Igreja de Jesus A Arca de Noé E A Ovelha



E
stamos diante de um dos mais palpitantes temas pertinentes à Igreja de Jesus. A Bíblia – A Igreja – A Arca de Noé e a Ovelha. Trata-se de uma série de mensagens figuradas, as quais, mostrar-nos-ão que, Deus, na Sua infinda bondade e misericórdia, quando temos dificuldades para entender Sua sacrossanta vontade exposta na palavra escrita, libera-nos recursos eficazes sempre no afã de levar cada filho Seu à revelação de Sua mensagem libertadora, salvadora e arrebatadora. Aleluia! A esses infindos recursos a teologia bíblica figurativa os chama de símbolos, tipos, metáforas, alegorias, sombras, parábolas, etc. os quais manifestam-se como rica e profunda obra da permissão de Deus nos registros bíblicos, os quais, através da impulsão do Espírito Santo, são capazes de conduzir o crente aos reais domínios das maravilhosas manifestações da Divindade Santa em elementos materiais que revelam, sobretudo, as riquezas da vida cristã na Igreja, no Evangelho, no crente, na Nova Aliança, etc. em plenas páginas da Antiga Aliança. Então, veremos com nossos próprios olhos que temos uma grande e profunda história espiritual com Deus nas páginas do Velho Testamento. Nestas lições, por exemplo, veremos nossa vida estampada na Arca de Noé e na natureza de um gado miúdo chamado ovelha.
Oremos, pois, ao Todo-Poderoso Senhor, Criador e Redentor, para que Ele prossiga abrindo mais e mais espaços na nossa mentalidade sempre frágil em relação às coisas do Céu, pois, somente assim, conheceremos de perto as bênçãos divinas para o crente, tanto no sentido individual como também em termos de coletividade. “Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor” – Oséias 6:3.   


Pr Joel Machado

Índice das Mensagens

Lição 1
A Bíblia – A Igreja e a Mensagem Figurada
Lição 2
A Bíblia – A Igreja e A Mensagem Figurada - A Arca de Noé – I
Lição 3
A Bíblia – A Igreja e a Arca de Noé – II
Lição 4
A Bíblia – A Igreja e a Arca de Noé – III
Lição 5
A Bíblia – A Igreja e a Arca de Noé – IV
Lição 6
A Bíblia – A Igreja e a Arca de Noé – V
Lição 7
A Bíblia – A Igreja e a Arca de Noé – VI
Lição 8
A Bíblia – A Igreja e a Ovelha – I
Lição 9
A Bíblia – A Igreja e a Ovelha – II
Lição 10
A Bíblia – A Igreja e a Ovelha – III
Lição 11
A Bíblia – A Igreja e a Ovelha – IV
Lição 12
A Bíblia – A Igreja e a Ovelha – V
Lição 13
A Bíblia – A Igreja e a Ovelha – VI
Lição 14
A Bíblia – A Igreja e a Ovelha – VII


Comentários do Pr Joel Machado
Alto Lage – Cariacica – ES
www.enom.zip.net
contatoenom@bol.com.br


Lição 1
A Bíblia – A Igreja e A Mensagem Figurada

Verdade Prática
“Pela palavra de Deus figurada, os cristãos são despertados a estar cotidianamente em comunhão com Deus”.

Textos Bíblicos: Ct 1:15-17.  Is 40:28-31. Jo 10:1-7.

Ct 1:15-17
15.        Eis que és formosa, ó amiga minha, eis que és formosa; os teus olhos são como os das pombas.
16.  Eis que és gentil e agradável, ó amado meu; o nosso leito é viçoso.
17.  As traves da nossa casa são de cedro; as nossas varandas, de cipreste.

Is 40:28-31
28.        Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o Senhor, o Criador dos fins da terra, nem se cansa, nem se fatiga? Não há esquadrinhação do seu entendimento.
29.  Dá força ao cansado e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor.
30.  Os jovens se cansarão e se fatigarão, e os mancebos certamente cairão.
31.  Mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças, subirão com asas como águias; correrão e não se cansarão; caminharão e não se fatigarão.

João 10:1-7.
1.      Na verdade, na verdade vos digo que aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador.
2.      Aquele, porém, que entra pela porta é o pastor das ovelhas.
3.      A este o porteiro abre, e as ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas, e as traz para fora.
4.      E, quando tira para fora as suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz.
5.      Mas de modo nenhum seguirão o estranho, antes fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos.
6.      Jesus disse-lhes esta parábola; mas eles não entenderam o que era que lhes dizia.
7.      Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: Em verdade, em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas.


Pr Joel Machado

Texto bíblico Básico
“Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho” – Hb 11:1.

Introdução

A Bíblia Sagrada revela-nos uma diversidade de elementos figurativos, os quais são disponibilizados por Deus a Seus filhos na terra, para que estes entendam de forma mais ampla e perfeita a vontade divina revelada na Palavra escrita, as Escrituras Sagradas. Esses elementos são teologicamente nominados de tipos, símbolos, metáforas, sombras, parábolas, alegorias, analogias, enigmas.
Portanto, uma variada manifestação de elementos móveis e imóveis, animais e não animais, é manifesta nas páginas sagradas para ilustrar não somente o crente e seus atos, mas diversos fatos e coisas sagrados dentro dos domínios da Nova Aliança. Dentre essa diversidade de elementos disponíveis a Deus para ensinar Seus filhinhos, encontramos a águia, o camêlo, a pomba, o martelo, a lavoura, a vinha, o vento, a chuva, o orvalho,  o azeite da santa unção, etc. etc.

Teologia Figurativa

Tropologia é o termo grego que identifica uma das infindas manifestações da Palavra de Deus. As mensagens figurativas ou figuradas. O vocábulo tropologia, portanto, procede do grego transliterado tropología <τροπολογια> e significa: 'linguagem figurada'. Qualificações, isto é, significado etimológico do termo tropologia: “uso de linguagem figurada”.
Testamento bíblico. Os elementos figurativos encontram-se espalhados por toda a Bíblia Sagrada: “Os quais servem de exemplar e sombra das coisas celestiais, como Moisés divinamente foi avisado, estando já para acabar o tabernáculo; porque foi dito: Olha, faze tudo conforme o modelo que, no monte, se te mostrou” – Hb 8:5. O vocábulo “figurativo”, do latim figurativu, de forma generalizada, significa: “aquilo que manifesta-se como figura” – “coisas ou fatos representativos” – “acontecimento ou objeto simbólico”.
No grego, a palavra “figura”, especificamente em At 7:44, enquadra-se no termo typon <τυπον>, que indica não somente a palavra figura, mas também pode ser usado para os termos “tipo” e “modelo”.
Observemos, pois, um simples exemplo bíblico de mensagem figurada:



Pr Joel Machado

A Arca de Noé
Parte I
Gn 6-7

Nos Capítulos 6-9 de Gênesis, 26 vezes encontramos o termo hebraico tẽbâ para indicar um barco imenso, retangular, no formato de uma caixa, na qual o Patriarca Noé, a sua família e mais os animais entraram para escapar das águas do grande dilúvio, manifestas como juízo divino diante dos contemporâneos de Noé.
No âmbito das mensagens figurativas, a Arca de Noé revela-nos não somente as duas naturezas da Igreja de Cristo Jesus dentro da Nova Aliança, mas também mostra-nos uma diversidade de riquezas ligadas à vida da Igreja.
NOTA ESPECIAL: Deus liberou a Noé as dimensões exatas da arca, e instruções explícitas com relação à sua construção em todos os pormenores. A sabedoria humana não poderia ter concebido uma estrutura de tão grande resistência e durabilidade. Fora Deus que fizera a planta da mesma. Noé foi o construtor-chefe. A Arca foi construída semelhante ao casco de um navio, para que pudesse flutuar sobre a água; mas nalguns sentidos muito mais se parecia com uma casa. Tinha uma   altura de três andares, com apenas uma porta, que ficava ao lado. A luz entrava por cima, e os diversos compartimentos eram de tal maneira arranjados que todos eram iluminados. O material empregado na construção da arca foi o cipreste, ou madeira de Gofer, um material isento de apodrecimento durante centenas de anos. A edificação desta imensa arca foi uma operação lenta, trabalhosa. Devido ao grande tamanho das árvores, e a natureza da madeira, muito mais trabalho era então exigido do que hoje para preparar a madeira, mesmo com a força maior que possuíam os homens. Tudo o que o homem podia fazer, se fazia, para tornar perfeito o trabalho; contudo, a arca não podia por si ter resistido à tempestade que deveria sobrevir à Terra. Unicamente Deus podia preservar Seus servos das águas tempestuosas. 

A Arca: Uma Embarcação Salvífica

No que tange à manifestação da Arca de Noé como elemento de salvação da primeira civilização humana, representada em Noé e sua família, essa arca aponta para a Igreja de Jesus no aspecto invisível, quando identifica-se como “O Corpo de Cristo” – Ef 1:20-23. A Igreja do Senhor Jesus, nesses momentos de crises, distúrbios, atos pecaminosos sem precedentes na história, os quais antecedem os juízos divinos da Grande Tribulação, exatamente face à tragédia de Adão, é o grande recurso divino condutor de vidas aos tabernáculos eternos. Mt 16:18. I Tm 3:15. Mt 24:36-39. Lc 17:26-27. A Igreja de Jesus Cristo manifesta-se simultaneamente como “edifício e lavoura de Deus na terra” – I Co 3:9; “família de Deus em plena terra” – Ef 3:14-15; “a imagem do próprio Filho Unigênito de Deus” – Rm 8:29. O amado leitor conhece esses aspectos da Igreja? Conheçamos outros!!!!!!
·   Jardim fechado: Ct.2:1.
·   A Rosa de Sarom: Ct. 4:12a.
·   Virgem prudente: Mt.25:1-10.
·   Rebanho das ovelhas de Cristo: Jo 10:1-14.
·   Casa espiritual edificada com pedras vivas: 1 Pd.2:5ab.
·   Sacerdócio santo: 1 Pd.2:5c.
·   A Geração eleita: 1 Pd.2:9a.
·   O Sacerdócio real: 1 Pd.2:9b.
·   A Nação santa: 1 Pd.2:9c.
·   O Povo adquirido: 1 Pd.2:9d.
·   Povo de Deus: 1 Pd.2:10.
·   Peregrinos: 1 Pd.2:11 [parte inicial].
·   Forasteiros: 1 Pd.2:11c.
·   O Rebanho de Deus: 1 Pd.5:2.
·   A Esposa do Cordeiro [na eternidade]: Ap.19:7-8.
·   A Noiva: Ap.22:17.
·   A Universal Assembléia: Hb.12:23a.
·   Igreja dos Primogênitos: Hb.12:23b.

Epílogo

Conforme percebemos acima, o mundo das mensagens figurativas abrange um espaço bíblico infinito no que refere-se a elementos disponíveis para uso do Espírito Santo. Paulo, abordando as riquezas divinas, assombrou-se e disse: “Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria como da ciência de Deus! Porque Dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém!” – Rm 11:33 e 36. 

Lição 2
A Bíblia – A Igreja
E a Arca de Noé – Parte II

  

Verdade Prática
“Poder algum jamais conseguirá bloquear a manifestação das riquezas de Deus nas mensagens figuradas”.

Textos Bíblicos: Gn 6:13-22

13.  Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra.
14.  Faze para ti uma arca da madeira de gôfer; farás compartimentos na arca e a betumarás por dentro e por fora com betume.
15.  E desta maneira a farás: De trezentos côvados o comprimento da arca, e de cinqüenta côvados a sua largura, e de trinta côvados a sua altura.
16.  Farás na arca uma janela, e de um côvado a acabarás em cima; e a porta da arca porás ao seu lado; far-lhe-ás andares, baixo, segundo e terceiro.
17.  Porque eis que eu trago um dilúvio de águas sobre a terra, para desfazer toda a carne em que há espírito de vida debaixo dos céus; tudo o que há na terra expirará.
18.  Mas contigo estabelecerei a minha aliança; e entrarás na arca, tu e os teus filhos, tua mulher e as mulheres de teus filhos contigo.
19.  E de tudo o que vive, de toda a carne, dois de cada espécie, farás entrar na arca, para os conservar vivos contigo; macho e fêmea serão.
20.  Das aves conforme a sua espécie, e dos animais conforme a sua espécie, de todo o réptil da terra conforme a sua espécie, dois de cada espécie virão a ti, para os conservar em vida.
21.  E leva contigo de toda a comida que se come e ajunta-a para ti; e te será para mantimento, a ti e a eles.
22.  Assim fez Noé; conforme a tudo o que Deus lhe mandou, assim o fez.

Texto Bíblico Básico
“Pela fé, Noé, divinamente avisado das coisas que ainda se não viam, temeu, e, para salvação da sua família, preparou a arca, pela qual condenou o mundo, e foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé” – Hb 11:7.

Introdução

Prosseguindo nossa matéria pertinente às mensagens figurativas, continuemos, pois, focalizando a Arca de Noé paralela à vida da Igreja de Jesus, uma das mais ricas mensagens simbólicas das Escrituras Sagradas, uma vez que, essa arca, dentro dos domínios da Velha Aliança, manifesta-se como autêntica e significativa sombra da Igreja do Senhor Jesus. Uma arca repleta de riquezas espirituais escondidas em tábuas, em animais limpos, no betume, etc. etc. Estudemos, pois.  



Pr Joel Machado

A Arca: Uma Habitação Temporária
Gn 8:15-19

Os Dois Aspectos da Igreja na Arca. A Arca de Noé é uma figura da Igreja de Jesus em dois aspectos distintos: invisível e visível – Como aspecto visível ela aponta para os santuários locais, permitidos por Deus como morada temporária de Sua Igreja na terra. Como aspecto invisível, a arca aponta para a segurança da Igreja como “O Corpo de Cristo”. O Corpo invisível, resistente diante de tudo e de todos. A Igreja de Mt 16:18. A única Igreja capaz de navegar sobre quaisquer tipos de correntes de águas: Jo 15:1-7. No atual momento, como Igreja de Jesus, todos os servos do Senhor estão no estágio de habitação temporária. 
A Estrutura da Arca. Gastou-se cerca de 100 anos para que a arca fosse construída e ficasse à disposição de um Deus irado – comparar Gn 5:32 com 7:6 e 11 – o espaço de tempo em que Noé, sua família e os animais permaneceram dentro da arca girou em torno de 1 ano – comparar Gn 7:11 com 8:13. Por mais violentas que tenham sido as águas diluvianas diante dos contemporâneos de Noé, e realmente o foram, quando uma civilização inteira não suportou o peso das águas destruidoras <7:21-23>, a Arca de Noé, contudo, manteve-se resistente, segura, inabalável, imbatível diante dos ventos e dos açoites das águas tempestivas, compressoras. Bendita Arca de Noé. Arca salvadora, conservadora, preservadora. Navegou sobre as águas bravias. Aleluia! Balançou? Sim! Foi assoprada pelos ventos? Sim! As águas bateram fortemente contra sua estrutura? Sim! Mas manteve-se sempre sobre as correntes de águas devastadoras. Águas que deixaram rastros de morte e destruição. Um ano mais tarde, a arca abriu-se para que Noé e sua família deixassem-na em busca de um novo tempo determinado pelo próprio Deus Criador e Redentor. Que dia festivo para Noé e sua família, hein! Um dia ansiosamente esperado. “Portanto, diría, milênios mais tarde, o Apóstolo Paulo, consolai-vos uns aos outros com estas palavras” 1 Ts 4:18. Que palavras? As palavras de um novo tempo providenciado por Deus, um novo sistema de vida. Um grande e esperado dia para o povo da arca espiritual da Nova Aliança está por vir. Aleluia! Deus tem dia e hora marcados para mudar definitivamente a história da Igreja atualmente ainda em solo terrestre 1 Co 15:51-58.

A Arca: Habitação de Limpos e Sujos

Ao manifestar-se como habitação temporária de elementos vivos, “limpos” e “sujos” Gn 7:1-3, a arca revela a Igreja de Jesus no aspecto visível dentro das localidades. Como Igreja local, admitamos, convivemos com pessoas santas, redimidas, fiéis, realmente justas diante do Eterno – I Co 6:12. 10:23. Ap 3:4. Em qualquer localidade, essas vidas representam maioria dentro da santa arca. Aleluia! Simultaneamente, no mesmo local, esses fiéis conviverão com crentes desagradáveis, imundos, sujos aos olhos de Deus. São pessoas compradas e resgatadas sim, entretanto, jamais lavadas e redimidas no sangue do Cordeiro de Deus. Assim como os animais sujos na arca representavam minoria, também esses crentes representam minoria na Casa do Senhor. Ap 3:1-6. Para onde iriam os santos caso não suportassem essa minoria? Sairia da arca? Lá fora, no lado externo da arca, há um dilúvio de águas assassinas!! Multidões, lá fora, em estado de desespero, face aos açoites das águas que matam, gostariam de estar dentro da arca, sabia?! Deus tem dia e hora marcados para arrebatar da arca da Nova Aliança Seus diletos filhos. Aleluia! No decorrer dos séculos, não tem sido fácil aos servos de Deus nas localidades da Igreja a vida cristã lado-a-lado com “animais” humanos que coiceiam, urram, uivam, etc. Leiamos Jo 16:33 <Rm 15:1. Ef 4:1-2>. Gn 8:1. 2 Pd 3:9. I Ts 4:13-18. Aguardemos, pois, suportando-nos uns aos outros. Seremos brevemente arrebatados.

A Arca: Habitação Construída por Noé

A Obra de Noé e o Senhor Jesus. Simultaneamente, Noé, ao construir arduamente uma grande Arca como referência maior da salvação divina estendida à civilização anti-diluviana, tipifica o próprio Salvador do Mundo, Jesus. O patriarca ocupou o espaço de 100 anos na construção da grande embarcação salvífica – comparar Gn 5:32 c/ 7:11 – A edificação da Igreja custou altíssimo preço a Cristo. Aqueles três anos ministeriais do Salvador tiveram caráter de eternidade, face às infindas e duras batalhas espirituais travadas entre o Filho de Deus e o mundo das trevas em todos os aspectos. Is 53:3-7. Lc 22-23 . Ele sentiu-SE cansado: João 4:6; foi castigado: Lc 23:13-16; foi coroado de espinhos: Mt 27:29; uma grande e pesada maldição desabou sobre Ele: Gl 3:13. Etc.

Epílogo

Uma Igreja na localidade até pode demonstrar fragilidades, impotência, fraquezas, etc. Entretanto, quando falamos da Igreja do Senhor no aspecto invisível, isto é, a Igreja como O Corpo de Cristo, O Corpo Místico do Filho de Deus, não estamos aludindo denominações evangélicas, e sim estamos falando de um rolo-compressor divino capaz de atropelar todos e quaisquer tipos de poderes terrestres e satânicos. Mt 16:18. A Igreja na localidade precisa e deve ser uma referência viva da Igreja no aspecto invisível. Amém!


www.enom.zip.net


Lição 3
A Bíblia – A Igreja
E a Arca de Noé – Parte III


Verdade Prática
“Através da palavra figurada os servos de Jesus são despertados a estar cotidianamente em comunhão com Deus”.

Textos Bíblicos: Gn 6:13-14. Gn 7:1-5

Gn 6:13-14
13.  Então disse Deus a Noé: O fim de toda carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra.
14.  Faze para ti uma arca de madeira de gofer; farás compartimentos na arca e a betumarás por dentro e por fora com betume.

Gn 7:1-5
1.      Depois disse o Senhor a Noé: Entra tu e toda a tua casa na arca, porque te hei visto justo diante de mim nesta geração.
2.      De todo animal limpo, tomarás para ti sete e sete, o0 macho e sua fêmea; mas, dos animais que não são limpos, dois, o macho e sua fêmea.
3.      Também, das aves dos céus, sete e sete, macho e fêmea, para se conservar em vida a semente sobre a  face de toda a terra.
4.      Porque, passados ainda sete dias, farei chover sobre a terra quarenta dias e quarenta noites; e desfarei de sobre a face da terra toda a substância que fiz.
5.      E fez Noé conforme tudo o que o Senhor lhe ordenara.

Texto Bíblico Básico
“Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho” – Hb 11:1.


Pr Joel Machado

Introdução

Prosseguimos estudando “A Bíblia” – “A Igreja” e “A Arca de Noé”. Inegavelmente, uma embarcação salvífica profundamente rica em detalhes espirituais somente vistos na soberana Igreja de Jesus Cristo. A Arca de Noé, contudo, é apenas um detalhe a mais dentro de inúmeros no que tange àquilo que ora estudamos: As Mensagens Bíblicas Figurativas.

A Arca: Construção de Tábuas de Gofer

O Criador determinou a Noé que, na construção da arca, usasse “madeira de gofer” – do hebraico transliterado gõperO material empregado na construção da arca, portanto, era madeira de gofer ou cipreste, uma madeira sólida e isenta de apodrecimento durante centenas de anos.

1.      As Tábuas apontam para os filhos de Deus. Na Nova Aliança essas tábuas formam “a firme coluna da verdade” – 1 Tm 1:15. No Novo Testamento grego a palavra “coluna” aparece no termo stilos <στύλος> que, etimologicamente, significa: “coluna que apóia o peso de um edifício”. Revelação do Apóstolo Paulo ao escrever aos santos da Igreja em Corinto: “...vós sois edifício de Deus” – 1 Co 3:9 – aos santos em Éfeso, completa a revelação ao dizer: “...Jesus Cristo é a principal pedra da esquina. No qual  todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor” – Ef 2:20-21. Portanto, os membros da Igreja de Jesus, indiferentes a quaisquer tipos de atropelos, devem, simultaneamente, não somente manifestarem-se como Igreja do Senhor dentro de uma localidade, mas também garantir sua permanência como Igreja “coluna da verdade” em todos os lugares e em qualquer ocasião. Aleluia!  Ec 3:1-8 e 9:8.
2.      As Tábuas unidas na arca apontam para a união dos filhos de Deus como Igreja de Jesus. Sl 133. A unidade dos membros na localidade garante Mt 16:18.
3.      A procedência da madeira de gofer, uma madeira colhida no deserto, aponta para a natureza de Cristo no crente: Is 53:1-7. Os 13:5.
4.      As tábuas preparadas por Noé precisaram sofrer golpes de instrumentos cortantes e batentes, é lógico, para ajustarem-se como arca planejada por Deus. O fato aponta para as batalhas espirituais travadas pelos servos de Deus para ajustarem-se como Igreja de Jesus. Mt 11:12.
5.      O gofer ou cipreste, como qualificação da madeira para edificação da arca, por tratar-se de material resistente à corrupção, apodrecimento, aponta para a natureza santa e íntegra dos filhos de Deus como Igreja. 1 Co 6:12-20. Ec 9:8.

www.enom.zip.net
A Arca: Tábuas Unidas com Betume
Os Servos e o Poder do Sangue de Jesus

Não somente UNIDAS deveriam estar as tábuas, a ordem divina a Noé foi que fechasse as brechas contra as águas do dilúvio. Entre as tábuas deveria ser aplicado betume por dentro e por fora para junta-las uma à outra.
BETUME, do hebraico kãpar <Gn 6:14>, usado para piche <substância negra, resinosa, muito pegajosa, obtida da destilação do alcatrão ou da terebintina ; pez – Designação comum a substâncias betuminosas, sólidas ou semi-sólidas, naturais ou artificiais, resíduo da destilação de líquidos densos, de alcatrões, etc.; piche>.
1.      O betume nas tábuas da arca aponta para a presença do sangue de Jesus na Igreja. At 20:28. Ef 2:13. Hb 13:12. 1 Jo 1:7.
2.      O betume entre as tábuas, unindo-as, aponta para o poder do sangue de Jesus na vida dos servos em prol da unidade espiritual na localidade. At 20:28. Cl 1:18-20. 1 Pd 1:19-22.
3.      O betume aplicado nas tábuas por dentro e por fora da arca, aponta para o poder do sangue de Jesus tanto na vida interna quanto na vida externa dos servos, isto é, espírito, alma e corpo físico precisam e devem estar literalmente comprados, resgatados, lavados e redimidos pelo poder do sangue de Jesus. At 20:28. Ef 2:11-13. 1 Ts 5:23. Brechas naturais abertas no crente: Olhos e ouvidos são portas abertas. Consequentemente, precisam ser fechados com sangue Pv 6:24-25. Mt 6:22-23. Ex 12:1-13.
4.      A união das tábuas através do betume espiritual aponta a Igreja como Jardim Divino Fechado – Ct 4:12a. – contra as águas mortíferas do mundanismo.  Rm 1:18-32. Gl 5:19-21.
Preços: Segundo os escritos bíblicos pertinentes aos dias dos anti-diluvianos, o Patriarca Noé foi um homem cheio da Graça de Deus para dar vida ao plano de salvação divina diante das tempestades do dilúvio. Assim como Jesus Cristo, Noé construiu a arca da salvação debaixo de críticas e zombarias de seus contemporâneos – Lc 17:26-27. Hb 11:7. 2 Pd 2:5. Jesus Cristo, no processo de construção da Igreja, sempre precisará de vidas nas localidades; Noé precisou de tábuas para construir a grande arca – Jesus precisou de Seu próprio sangue para proteger a Igreja e cada um de seus membros contra as águas assassinas procedentes do mundanismo e de Satanás; Noé precisou de betume para unir as tábuas e livrar a arca das águas assassinas.
Epílogo

A Igreja de Jesus, a partir do momento em que focalizamos nosso olhar na mensagem figurativa acima, por exemplo, é muito mais que uma simples denominação evangélica, ela é um inefável instrumento divino na terra. O rolo-compressor de Deus contra todos os poderes terrestres. Aleluia!
Pr Joel Machado

Lição 4
A Bíblia – A Igreja
E a Arca de Noé – Parte IV


Verdade Prática
“A segurança do cristão vem da eternidade passada, ultrapassando as barreiras da Velha Aliança, através de um plano divino, infalível e poderoso”.

Textos Bíblicos: Gn 6:13. Gn 7:1-5. Jo 10:1-4

Gn 6:13
Então disse Deus a Noé: O fim de toda carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra.

Gn 7:1-5.
1.      Depois disse o Senhor a Noé: Entra tu e toda a tua casa na arca, porque te hei visto justo diante de mim nesta geração.
2.      De todo animal limpo, tomarás para ti sete e sete, o0 macho e sua fêmea; mas, dos animais que não são limpos, dois, o macho e sua fêmea.
3.      Também, das aves dos céus, sete e sete, macho e fêmea, para se conservar em vida a semente sobre a  face de toda a terra.
4.      Porque, passados ainda sete dias, farei chover sobre a terra quarenta dias e quarenta noites; e desfarei de sobre a face da terra toda a substância que fiz.
5.      E fez Noé conforme tudo o que o Senhor lhe ordenara.

Jo 10:1-4
1        Na verdade, na verdade vos digo que aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador.
2        Aquele, porém, que entra pela porta é o pastor das ovelhas.
3        A este o porteiro abre, e as ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas, e as traz para fora.
4        E, quando tira para fora as suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz.

Texto Bíblico Básico
“Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei” Gl 4:4.

Introdução

Nesta lição, dando prosseguimento à matéria pertinente à Arca de Noé e a vida da Igreja de Jesus  Cristo na Nova Aliança, observaremos as riquezas espirituais na cobertura e na porta da arca, o drama da tragédia externa, quando, uma multidão de vidas endividadas com o Eterno e Supremo Criador, viu-se aterrada diante do ensurdecedor barulho das águas do dilúvio, deparando-se, em seguida, face-a-face com o terrível e inédito juízo divino. Estudemos, pois.

A Cobertura da Arca e Jesus

A Cobertura de Madeira da Arca: Essa cobertura, segundo o Profeta Isaías, veio de uma terra seca, desértica – Is 53:1-2, e, segundo Paulo, milênios mais tarde, indica o próprio Senhor Jesus Cristo, O Filho de Deus, manifesto como “A” Cabeça da Igreja – Cl 1:18-20. O cérebro, a razão, o intelecto, o olhar, a visão, o falar da Igreja de Jesus encontram-se unicamente Nele. Ele é muito mais que uma cobertura, Ele é a cabeça da arca espiritual na Nova Aliança. Aleluia!    

                                                A Porta da Arca e Jesus  
Gn 7:16

Ao determinar a Noé que entrasse na arca, o Senhor não fechou de imediato a porta da grande embarcação. Num ato de extrema misericórdia e bondade, a manteve aberta durante sete dias, esperando pecadores arrependidos. Conferir Gn 7:1-4 e a parte final do versículo 16. A história jamais mudou, a Igreja já está preparada – Ap 22:17 – entretanto, a Porta, Jesus Cristo, ainda mantêm-se aberta, à espera.   
A Porta da Arca Aberta aponta para os insondáveis e eternos atos da Bondade, da Longanimidade e da Misericórdia de Deus, sempre aguardando uma decisão positiva do homem pecador. Jo 3:16. Lc 4:19. 2 Pd 3:9. Até que venha o arrebatamento da Igreja, Jesus Cristo é a Porta divina providenciada por Deus e ainda aberta à espera do pecador arrependido. Ele mesmo disse: “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á” – João 10:9. Uma curiosidade: A Arca de Noé possuía uma só porta. Entendeu! Então, prestemos atenção na revelação de Jesus exposta no Evangelho de João 14:6. Ele diz: “Eu Sou o Caminho”. Sim! O Filho de Deus é “A Porta da Vida diante das ameaças do Inferno e da Grande Tribulação”.
A Porta da Arca Fechada aponta para os atos da Justiça e da Santidade de Deus. O Todo-Poderoso Senhor jamais julga os pecadores com base na bondade e na misericórdia, e sim com base única na santidade e na justiça Suas. O arrebatamento da Igreja estabelecerá o fechamento da porta da graça. Nesse dia, o mesmo Deus de Noé determinará o fim da espera divina. Mt 24:36-44.

Pânico Fora da Arca

O termo “pânico”, do grego panikón, significa 'terror', terror que vem de .
1.      Que suscita medo e foge a um controle racional.   
2.      Susto ou pavor repentino, que provoca uma reação desordenada, individual ou coletiva, de propagação rápida.  
3.      Medo que os antigos diziam ser causado pelo deus Pã. . Divindade greco-latina. Símbolo mitológico da Natureza.

Uma loucura generalizada abateu-se sobre os antidiluvianos ao virem, pela primeira vez na história daquela civilização, a terrível manifestação do juízo de Deus através de correntes de águas avassaladoras, assassinas. Um negócio inédito, jamais visto, sem precedentes na história daquele povo. Homens, mulheres, jovens, crianças, adultos e velhos, fracos e fortes, doentes e saudáveis, mulheres gestantes e mulheres amamentando filhos, ricos e pobres, etc. foram à loucura. Um sistema de morte lenta e cruel traumatizou aquela civilização antes do golpe fatal. O pior, entretanto, foi perceber que, a grande embarcação, a mesma arca que depois de 100 anos de construção aos olhos públicos, permanecera aberta durante sete dias esperando pecadores arrependidos e desejosos da salvação, quando Noé, aos berros, não somente acusou a manifestação odienta do pecado em grande escala naqueles dias, mas também os conclamou à salvação “dentro da arca”. Agora, debaixo do barulho ensurdecedor das águas do dilúvio, diria o próprio Deus: “é tarde demais”. O tempo findou-se. A misericórdia, a bondade e a longanimidade do Senhor deram lugar à justiça de um Deus irado – Mt 24:36-39. Hb 11:7. 1 Pd 3:20. 2 Pd 2:5.

A Morte Fora da Arca
At 2:46-47. 1 Co 15:52

Primeiro, o pânico, o medo sem controle. Depois, a morte. Trata-se de uma regra que jamais sofrerá mudança. Primeiro, o descontrole mental, emocional, a loucura, o pavor. Depois, a morte.
Tradicionalmente, à margem da Bíblia Sagrada, uma célebre e perigosa frase ecoa sempre: “igreja não salva”. Sim! Um dos maiores problemas religiosos é confundir as denominações evangélicas com a Igreja de Jesus. A Igreja de Jesus deve estar presente e muito bem referendada na denominação cristã evangélica sim, entretanto, nem todas as instituições evangélicas refletem a Igreja do Senhor e suas riquezas espirituais. Por outro lado, enquanto a instituição evangélica representa, simultaneamente, o Corpo de Cristo na localidade e uma administração humana, registrada em cartório, etc., a Igreja do Senhor, a Igreja do arrebatamento, não tem o mínimo sinal de dedos humanos. Aleluia! No âmbito invisível, acreditemos, trata-se, 100%, do organismo espiritual do Filho de Deus, Jesus. Um organismo saudável, vivo e ativo. Denominações religiosas jamais conduzirão seus fiéis ao Céu através de recursos próprios, pastores, doutores, teólogos, cânticos, doações beneficentes, etc. Seria tolice acreditar que uma instituição religiosa, evangélica, etc. detenha em si mesma condições especiais, exclusivas, capaz de conduzir seus membros às moradas eternas. Seria engano infernal, maligno, herético. Entretanto, a Igreja da visão de Jesus em Mt 16:18 tem dia e hora marcados para sair da terra, através de inédito fato biblicamente nominado de “arrebatamento”, quando, de forma definitiva e eterna, milhares de milhares de pessoas físicas serão transformadas em corpos literalmente espirituais. Nessa ocasião, ao mesmo tempo, centenas de milhares de milhares de túmulos serão abertos como prova documental da ressurreição de vidas que, ao deixarem a terra através da morte física, foram conduzidas às inefáveis delícias do Paraíso, localizado dentro do Terceiro Céu. Esses milhares de milhares de milhares de vidas penetrarão de forma definitiva e eterna em domínios literalmente celestiais, divinos, no interminável Céu dos céus – Nee 9:6. Nesse dia, queira ou não o ser humano, Satanás e seus agentes, a religião meramente humana e mesquinha, etc. o candidato ao Céu precisará estar membrado a essa soberana Igreja. Aleluia! Membrado não como um a mais no Corpo, e sim em santidade, amor sacrificial e fé. 2 Co 12:1-4. 1 Co 15:12-58. 1 Ts 4:13-18. Hb 12:14.  

A Arca e a Soberania da Igreja

Entendamos, pois. Jamais haverá a mínima chance de salvação eterna fora da Igreja de Jesus. Não estamos falando das Igrejas locais, e sim da Igreja que é o Corpo místico do Salvador Jesus Cristo, o Filho de Deus. Titanics afundam-se diante dos icebergs da vida e Tsunamis destroem um país inteiro. Mas a Arca de Deus, tanto no Velho quanto no Novo Testamentos, sempre andarão sobre as mais bravias águas. A Arca de Deus jamais abala-se diante de quaisquer tipos de águas bravias, perigos em alto-mar, etc. Aleluia! Um grande dilúvio aproxima-se do planeta terra, trata-se da Grande Tribulação. Corra para a Igreja de Jesus ainda hoje, agora! O Noé da Nova Aliança, Jesus  Cristo, O Filho de Deus, te aguarda ansiosamente.
Há Salvação na Igreja Sim! A Igreja, portanto, no aspecto invisível, como O Corpo de Cristo, a Igreja de Mt 16:18... é condutora de vidas ao Céu sim! Nenhuma outra instituição de cunho espiritual ou religioso poderá algum dia sair com todo o seu povo definitivamente da terra em direção ao Céu. Nunca! Jamais! Somente a Igreja de Jesus. Essa Igreja é conhecida nas páginas das Sagradas Escrituras como: “a assembléia dos santos” – Hb 10:25 – “a coluna e firmeza da verdade” e “casa de Deus” – 1 Tm 3:15 – “a família de Deus” – Ef 3:15 – “a habitação de Deus” – Ef 2:22 – “os membros de Cristo” – Ef:5:30 – “a nação santa” – 1 Pd 2:9  “o santuário de Deus” – 1 Co 3:16. Decidamos, pois. Somente através da Igreja, entendamos, “Jesus Cristo é o Caminho”. 

Epílogo

Portanto, aos candidatos ao Céu, o único lugar seguro de onde todos os cristãos evangélicos sairão ao encontro de Jesus nos ares, chama-se: “Igreja do Senhor e Salvador Jesus Cristo”. Á margem dela, ou seja, marginalizando-a, desprezando-a, etc. é 100% impossível subir às moradas eternas. Amém!

Lição 5
A Bíblia – A Igreja
E a Arca de Noé – Parte V

        
Verdade Prática
“A mensagem figurativa são meios pelos quais a Igreja de Jesus pode de maneira simples, penetrar nas insondáveis revelações pertinentes à obra de Deus”.

Textos Bíblicos: Gn 8:7-11  Mt 3:16-17 Lc 17:26-27

Gn 8:7-11
7        E soltou um corvo, que saiu indo e voltando, até que as águas se secaram de sobre a terra.
8        Depois soltou uma pomba, a ver se as águas tinham minguado de sobre a face da terra.
9        A pomba, porém, não achou repouso para a planta do seu pé, e voltou a ele para a arca, porque as águas estavam sobre a face de toda a terra; e ele estendeu a sua mão, e tomou-a, e meteu-a consigo na arca.
10    E esperou ainda outros sete dias, e tornou a enviar a pomba fora da arca.
11    E a pomba voltou a ele sobre a tarde; e eis, arrancada, uma folha de oliveira no seu bico; e conheceu Noé que as águas tinham minguado sobre a terra.

Mt 3:16-17
16    E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele.
17.  E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.

Lc 17:26-27
26.  E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do filho do homem.
27.  Comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e consumiu a todos.

Texto Bíblico Básico
“E João testificou dizendo: Eu vi o Espírito descer do Céu como uma pomba, e repousar sobre ele” – Jo 1:32
Introdução

Prossigamos estudando as riquezas da Palavra de Deus dentro da Arca de Noé. Que o Todo-Poderoso Deus, O Criador e Redentor, aprouve abençoar-nos nesta matéria de extrema importância espiritual para Seu santo povo. Estudemos.

O Dilúvio
Sl 28:10a

No hebraico de Gn 7-11, a palavra dilúvio é mabbûl, indicando “destruição, ciclone, inundação”.  No latim, dilúvio é diluviu e significa:
“Inundação universal; cataclismo”.
“Grande chuva; inundação”.
Segundo a ciência geológica: “transformação brusca e de grande amplitude da crosta terrestre”. No grego, dilúvio é kataklismos<κατακλυσμός> e, etimologicamente, significa “Grande inundação”.
O dilúvio foi tão aterrorizante que, o próprio Todo-Poderoso Deus decidiu que jamais voltaria a usar águas torrenciais para destruir a terra. Gn 8:20-22 e 9:11.
Foram quarenta dias e quarenta noites ininterrúpteis de vendavais e águas avassaladoras, barulhentas, assassinas, destruidoras, desabando sobre a terra e seus habitantes. Gn 7:4 e 17. Enquanto Noé e sua família refugiaram-se guardados na Arca, a civilização de seus contemporâneos enfrentava a pior das piores agonias da história daquele povo. Esse dilúvio aponta para o terror da Grande Tribulação que, por estes tempos, deverá se manifestar sobre o planeta terra, assim que a Igreja de Jesus for arrebatada. Mt 24:36-39. Lc 17:26-27. Hb 11:7. Em Isaías 55:6, lemos: “Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto”.
Vidas Apodrecidas Fora da Arca

Toda uma civilização morreu e apodreceu exposta nas águas do dilúvio. Águas que, após os quarenta dias de tormenta, tornaram-se em lama cadavérica. Uma cena deprimente, cruel aos olhos. Centenas de centenas de corpos apodrecidos. Imagine o forte odor de carniça inundando aquela parte do universo antigo! O mundo outrora povoado. Olhando os dias atuais, já é possível ao cidadão terrestre inalar o forte mau cheiro procedente de todos os seguimentos da civilização mundial. A civilização terrestre encontra-se em franca decadência moral. E olha que a Igreja de Jesus ainda encontra-se sobre a terra! Imagine, então, como ficará o planeta logo após a partida da Igreja! A grande arca edificada por Cristo Jesus, a Igreja santa e imaculada, ainda permanece com sua santa e eterna porta aberta. Corramos para a eterna arca. Satanás e homens cruéis têm construído arcas estranhas com opções de entrada. A arca divina possui uma só porta – duas ou mais portas, jamais! Multidões, entretanto, têm atendido o clamor do Espírito Santo, adentrando nessa embarcação divina, espiritual, bem estruturada, santa, coluna da verdade, que tem dia e hora marcados para partir. Aleluia! Um dilúvio de açoites aproxima-se da terra. “Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente, cedo venho, Amém! Ora, vem, Senhor Jesus!” – Ap 22:20.

A Arca – A Pomba e o Espírito Santo
A presença de uma pomba, uma ave de natureza estritamente limpa, dentro da Arca, prestando serviços específicos a Noé, aponta para a presença purificadora do Espírito Santo na vida da Igreja de Cristo – Gn 8:8-9. Jo 14:16-17. At 1:8. 2:1ss. I Co 12 e 14. A Igreja de Jesus na localidade precisa e deve ser purificada e santificada pelo Espírito de Deus.
O Espírito Santo é o responsável pela vida de Deus na Igreja. Noé, desejando conhecer o estado da terra, as condições naturais de vida no mundo pós-dilúvio e sua própria situação, enviou uma pomba ao mundo onde reinara o desespero, a destruição e a morte, lá fora, no afã de, através do comportamento dessa ave, obter uma resposta satisfatória. Antes, porém, o patriarca enviou um corvo, o qual fez diversas incursões fora da arca, fazendo um vai-e-vem constante, indo e voltando a Noé, até que não mais retornou à embarcação. Certamente sentiu-se familiarizado e à vontade diante de restos de carne apodrecida nas águas ainda em escoamento. É a natureza do corvo. Ele não somente vê coisas podres, mas também satisfaz-se com o cheiro da podridão. Entre a podridão fora da arca e retornar aos braços de Noé, optou em permanecer onde sua natureza sentia-se melhor “confortável”. A história do corvo, em qualquer tempo ou lugar, jamais sofrerá mudanças. Ele procede da família das “aves de rapina” hebraicos peres e nesher>, da parentela dos “urubus”. Conforme se vê, 1 ano de prisão dentro da arca, isento da morte trágica, de coisas podres, carniças, teve aspecto de tortura e sofrimento para o corvo. Um período de tempo, certamente, insuportável para o parente dos urubus. Quantos crentes incomodados com a “demora” do culto ao Senhor no templo, hein! Sentem-se incomodados com o “excesso” de tempo gasto em fatos e coisas espirituais, divinas. Ex 32:1-4. Lc 9:59-61. Existem aqueles que, cansados pela demora da pregação da Palavra de Deus, até dormem – At  20:9.    
Quanto à pomba, o registro bíblico de Gênesis, revela: “A pomba, porém, não achou repouso para a planta de seu pé e voltou a ele para a arca” – Gn 8:9 – “E esperou ainda outros sete dias, e tornou a enviar a pomba fora da arca – E a pomba voltou a ele sobre a tarde; e eis, arrancada, uma folha de oliveira no seu bico; e conheceu Noé que as águas tinham minguado sobre a terra” – Gn 8:10-11. Que mensagem, hein! A mensagem do ramo de oliveira. Se a pomba pudesse falar, certamente diria a Noé: “Tudo está nos seus devidos lugares” – “Os tempos mudaram” – “A paz voltou para nós” – “A ira de Deus foi embora” – “O mau cheiro acabou, uma nova vida começa a nascer”. Aleluia! Somente o Espírito Santo tem a mensagem que esperamos hoje, diante de uma sociedade apodrecida em atos e palavras. Somente Ele!   

O Dia Triunfante
1 Ts 4:13-18

Após um ano convivendo com animais de todos os tipos “dentro da arca”, uns, animais mansos, aprazíveis, dóceis; outros, ao contrário, brutos, estúpidos, escandalosos, etc., imaginemos, então, o regozijo de Noé e toda sua família, ao saírem da arca, colocando os pés numa nova terra. Uma terra sem as manchas e os atos perniciosos do passado. Uma terra sem aquele povo que chegou ao ponto de levar o próprio Criador a arrepender-se da criação humana feita pelas Suas próprias mãos. Oh! Que festim de glória! Esse ato aponta para o momento em que O Espírito Santo e os fiéis deixarão as Igrejas nas localidades terrestres, ocasião em que penetrarão, imediatamente, nos  tabernáculos celestiais. Aleluia! Ap 19:6-9.

Epílogo

De que lado nos posicionaremos após estas santas verdades? A arca em que estamos possui mais de uma porta? A arca que deverá partir momentos antes da Grande Tribulação possui uma só porta: Jesus Cristo, O Filho de Deus. Amém!

Lição 6
A Bíblia – A Igreja
E a Arca de Noé – VI

Verdade Prática
“É pela Fé que o crente se apropria das bençãos divinas reveladas na Palavra de Deus”.

Textos Bíblicos: 6:13-16.1Co 12:1-12.Ef 4:11-12

Gn 6:13-16.
13    Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra.
14    Faze para ti uma arca da madeira de gofer; farás compartimentos na arca e a betumarás por dentro e por fora com betume.
15    E desta maneira a farás: De trezentos côvados o comprimento da arca, e de cinqüenta côvados a sua largura, e de trinta côvados a sua altura.
16    Farás na arca uma janela, e de um côvado a acabarás em cima; e a porta da arca porás ao seu lado; far-lhe-ás andares, baixo, segundo e terceiro.
1 Co 12:1-12
1.      Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes.
2.      Vós bem sabeis que éreis gentios, levados aos ídolos mudos, conforme éreis guiados.
3.      Portanto, vos quero fazer compreender que ninguém que fala pelo Espírito de Deus diz: Jesus é anátema, e ninguém pode dizer que Jesus é o Senhor, senão pelo Espírito Santo.
4.      Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo.
5.      E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo.
6.      E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.
7.      Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil.
8.      Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência.
9.      E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar.
10.  E a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas.
11.  Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer.
12.  Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também.

Ef 4:11-12
1.      E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores.
2.       Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo.

Texto Bíblico Básico
“Farás na arca uma janela, e de um côvado a acabarás em cima; e a porta da arca  porás ao seu lado; far-lhe-ás andares baixos, segundos e terceiros” Gn 6:16.

Introdução

Os três andares da Arca de Noé possuem um significado espiritual ímpar no que tange à vida da Igreja de Cristo. Segundo e Terceiro Andares são compartimentos superiores. O segundo, naturalmente, é superior ao primeiro – ou seja, encontra-se numa posição acima. O terceiro, consequentemente, é superior ao segundo. Isto é, posiciona-se de forma mais elevada. No mundo natural, uma lei inquestionável. No andar da parte baixa, no primeiro, obviamente Noé posicionou os animais. A Bíblia Sagrada, na realidade, em momento algum especifica a função desses  andares. No entanto, por tratar-se da arca um símbolo da Igreja de Jesus e essa arca possuir três andares, a palavra figurativa aponta-nos os domínios  dos três tipos de dons que localizam-se na Igreja de Jesus.   

O Primeiro Andar

O Primeiro Andar aponta para os talentos naturais na Igreja Local. O termo “talento”, do grego transliterado talanton <ταλαντον>, figurativamente, significa: “habilidade”, “aptidão natural”, inteligência excepcional, habilidade adquirida”. Mt 25:14-30. Em princípio, todos os membros da Igreja do Senhor na localidade possuem 1 talento especial. Há sevos de Deus, inclusive, que possuem 5 ou mais talentos. Temos talentos da pregação e do ensino da Palavra de Deus; talentos do louvor, da comunicação verbal, etc. As escolas bíblicas dominicais, por exemplo, devem ser celeiros de talentos naturais em  departamentos infantis, juvenis, na secretaria, na tesouraria...Logicamente, esses talentos dependerão da visão espiritual da liderança maior no templo da igreja, na escola bíblica dominical, no departamento de missões, nos serviços de relacionamento pessoal, etc.  
Conforme percebemos, então, na Igreja de Jesus há e sempre haverá lugar para os servos detentores de habilidades naturais saudáveis. É preciso, logicamente, muito cuidado e muita visão espiritual no trato com os habilidosos do Senhor na localidade. Um erro ao visualizar o talentoso, pode ser profundamente fatal, afinal, existem homens imbuídos de habilidades satânicas, maquiavélicas, maldosas, matreiras, mundanas, etc., os quais são verdadeiros lobos devoradores, falsos mestres, falsos crentes no seio do povo de Deus. Portanto, tomemos cuidados especiais. Nem tudo que reluz é ouro. Judas  10-19. 

O Segundo Andar

O Segundo Andar aponta para os Dons Espirituais, os quais estão acima dos talentos naturais. Afinal, os Dons Espirituais não tratam-se de habilidades procedentes de berços de nascimento, e sim, são doações que procedem do Espírito Santo de Deus. Vêm do Céu em prol do crescimento e da edificação da Igreja do Senhor. São doações espirituais que levam os servos do Senhor a grandes empreendimentos em benefício do Reino de Deus na terra. Esses Dons encontram-se agrupados nos Capítulos 12 e 14 de 1 Coríntios. Manifestam-se subdivididos em três classes distintas: 1ª Classe: Os Dons de Saber cérebro do servo> 12:8 e 102ª Classe: Os Dons de Poder <Deus operando através das expressões corporais do servo> – 12:9-10a. – 3ª Classe: “Os Dons verbais” ou Dons de Elocução Verbal lábios do servo> – 12:10. No que tange aos Dons Espirituais, o termo grego para a palavra “dom” é chárisma <χάρισμα> – Designação primária de charisma: “dom procedente da divindade celestial”. Oremos, pois, para que o Espírito Santo enriqueça as Igrejas locais com esses magníficos e poderosos dons.

O Terceiro Andar

O Terceiro Andar aponta para os Dons Ministeriais, os quais estão acima dos Dons Espirituais e são usados para colocar os membros da Igreja de Jesus perto do Céu. Aleluia! São doações especiais da Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, Jesus Cristo, a servos especiais, e encontram-se subdivididos em 5 classes: 1> Apóstolos 2> Evangelistas 3> Profetas 4> Pastores 5> Mestres Ef 4:11-12. Trata-se de servos de Deus dotados de uma capacidade espiritual extraordinária para ensinar, pregar, edificar igrejas locais, dirigir grandes concentrações de fé, evangelizar, aconselhar, apascentar, etc. Quando Jesus Cristo habilita um servo Seu com algum Dom Ministerial, imediatamente o Espírito Santo o ornamenta com o Dom Espiritual específico pertinente ao Dom Ministerial recebido do Mestre Jesus. Aleluia!  Padrões fundamentais do Dom Ministerial: Conhecimento límpido das Escrituras Sagradas, comunhão íntima com a Palavra estudada e uma vida de joelhos dobrados.
Epílogo

Conforme percebemos, a Igreja de Jesus não completa-se apenas com os servos dotados de Dons Espirituais e Ministeriais, mas também os talentos naturais devem possuir lugar de destaque na Casa de Deus. Nem todos têm Dons Ministeriais ou Espirituais. Entretanto, numa comunidade cristã de 300 servos, por exemplo, todos esses trezentos possuem, no mínimo, um talento natural. Não existe na face da terra uma só pessoa que não tenha sequer um talento natural. Portanto, diante de Deus, não haverá como pedir desculpas ao Eterno por uma vida ociosa na localidade da Igreja. Amém!

Lição 7
A Bíblia – A Igreja e a Ovelha


Verdade Prática
“Todos os servos de Deus devem incondicionalmente dar a Jesus Cristo a real liderança pastoral nas suas vidas, pois o Filho de Deus é o Sumo-Pastor da Igreja ”.

Textos Bíblicos: João 10:1-16

1.      Na verdade, na verdade vos digo que aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador.
2.      Aquele, porém, que entra pela porta é o pastor das ovelhas.
3.      A este o porteiro abre, e as ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas, e as traz para fora.
4.      E, quando tira para fora as suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz.
5.      Mas de modo nenhum seguirão o estranho, antes fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos.
6.      Jesus disse-lhes esta parábola; mas eles não entenderam o que era que lhes dizia.
7.      Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: Em verdade, em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas.
8.      Todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não os ouviram.
9.      Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens.
10.  O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundancia.
11.  Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas.
12.  Mas o mercenário, e o que não é pastor, de quem não são as ovelhas, vê vir o lobo, e deixa as ovelhas, e foge; e o lobo as arrebata e dispersa as ovelhas.
13.  Ora, o mercenário foge, porque é mercenário, e não tem cuidado das ovelhas.
14.  Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido.
15.  Assim como o Pai me conhece a mim, também eu conheço o Pai, e dou a minha vida pelas ovelhas.
16.  Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco; também me convém agregar estas, e elas ouvirão a minha voz, e haverá um rebanho e um Pastor.

Texto Bíblico Básico
“Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam” – Sl 23:4


Pr Joel Machado

Introdução


Dando prosseguimento à série de mensagens figuradas estabelecidas nas páginas antigas das Escrituras Sagradas, vinculando-as, sob a orientação do Espírito de Deus, à vida dos servos do Senhor na Nova Aliança, estudaremos, agora, “A Bíblia – A Igreja e a Ovelha”. Portanto, queira Deus abençoar-nos de forma ímpar, para louvor de Sua eterna glória. Estudemos, pois. 

“Ovelhas”
Um Gado Misto

Ovelha é o nome comum de determinados mamíferos herbívoros que pertencem a um único gênero e se encontram em estado selvagem ou domesticados. Chama-se carneiro ao macho da ovelha e cordeiro ou borrego às crias, conforme a idade. As variedades domésticas constituem as ovelhas típicas. São as que estão distribuídas com maior amplitude e são criadas em quase todos os países do mundo. Ao contrário, as espécies selvagens têm uma área de distribuição mais restrita e recebem outros nomes. Entre estas últimas estão o muflão das Rochosas e o argali da Sibéria.

A raça de gado ovino mencionada com maior freqüência nas páginas da Bíblia Sagrada é a que se distingue por ter cauda volumosa. Esse tipo de ovelhas possui pesagem entre quatro quilos e meio a sete quilos. Um animal considerado excelente para corte . A maioria das ovelhas de cauda volumosa, dentro do mundo bíblico, era de cor branca, mas também algumas eram negras, castanhas ou malhadas. A cor da ovelha, no entanto, em nada altera a índole desse animal.
Ao orientar Noé, um tipo do Salvador Jesus Cristo, quanto aos animais que deveriam ser inseridos na arca, um símbolo da Igreja de Cristo <nas localidades>, o Todo-Poderoso Criador e Redentor determinou ao patriarca: “De todo animal limpo, tomarás para ti sete e sete, o macho e sua fêmea; mas, dos animais que não são limpos, dois, o macho e sua fêmea” – Gn 7:2 – o que significa dizer que, no universo da grande massa humana de servos de Deus nas igrejas locais sobre a terra, uma esmagadora maioria é constituída de vidas limpas, corretas, santas, fiéis, as quais mantêm-se vestidas de branco, mesmo em tempos contrários à santidade bíblica requerida por Deus: Ec 9:8 <1 Co 5:9-11. 2 Co 2:5-6. 2 Ts 3:6ss. Jd 3-8; 10-19>.
A Ovelha aos Olhos de Deus. A ovelha é um animal limpo dentro da classificação bíblica. Pois, estudando atentamente o cardápio alimentar de Israel, no Capítulo 11 de Levítico, perceberemos que ela enquadra-se na vontade de Deus para o povo hebreu. O real servo de Deus precisa enquadrar-se na vontade do Senhor para a Igreja. “Porque eu sou o Senhor, vosso Deus; portanto, vós vos santificareis e sereis santos, porque eu sou santo...não contaminareis as vossas almas” – Lv 11:44.

Pr Joel Machado
A Vulnerabilidade da Ovelha
                                                                                                                
Por ser um animal de natureza passiva, dócil, mansa e inocente, a ovelha torna-se presa fácil de predadores <1 Sm 17:34-35. Mq 5:8. Mt 10:16. Jo 10:12>, ladrões <Jo 10:1> e de acidentes naturais. Sim! A ovelha, quase sempre sem motivos aparentes, é capaz de deixar o aprisco e expor-se à queda em buracos ou outros lugares igualmente perigosos <Mt 12:11. Lc 15:4-5>. Face à natureza sempre vulnerável, a ovelha depende muito da atenção especial do pastor. É exatamente essa dependência que faz da ovelha um animal terno e afetivo. Isto, inclusive, explica porque muitos pastores apegam-se a esse tipo de criação <Lc 15:4-6>.
NOTA: Quando o pecador arrependido opta por Cristo, manifestando-se como autêntico servo de Deus, o Espírito do Senhor, através da aplicação do sangue de Jesus e do poder da Palavra pregada e ensinada, injeta-lhe a natureza espiritual de ovelha do aprisco celestial na terra. O crente recebe na própria vida, de forma literal, a índole de Cristo. O próprio Jesus, recomenda: “...aprendei de mim que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para as vossas almas” <Mt 11:29>. Davi, em resposta ao convite messiânico, disse: “O Senhor é o meu Pastor, nada me faltará – deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranqüilas” <Sl 23:1-2>. 
Mesmo conhecendo previamente os matadouros espirituais montados dentro do universo da vida secular, voltados contra o aprisco do Sumo-Pastor, os reais servos do Senhor, os filhos ovelhas, modelados no Supremo e Eterno Apascentador, sempre manter-se-ão absolutamente calados, mudos, mansos ao enfrentá-los: Is 53:7. O Filho de Deus, outrora, Ovelha muda – hoje, Pastor Eterno, é a nossa única referência: Rm 15:3-5. Fp 2:3-16.

A Ovelha e os Lobos

O Apóstolo Paulo profetizou a manifestação de “lobos cruéis” contra o aprisco do rebanho de Cristo: At 20:29. Obs: No mundo animal, o lobo é o  mamífero carnívoro mais feroz dentro da família dos canídeos. Na linguagem de Jesus <Jo 10:12> e do Apóstolo Paulo, o lobo tipifica não somente obreiros e líderes “sanguinários, cruéis, desprovidos de amor”, mas também crentes agressivos que encontram-se acima da saga dos soldados de Herodes: não somente matam meninos espirituais, mas igualmente são capazes de eliminar igrejas locais inteiras, isto é, do pastor ao porteiro do templo. Recomendamos a leitura da Epístola de Judas.
Epílogo

Os templos evangélicos, portanto, antes que manifestem-se como denominações ou instituições cristãs, devem, primariamente,  manifestarem-se como reais apriscos espirituais das ovelhas do Sumo-Pastor Jesus Cristo. Aprouve a Deus conscientizar-nos quanto à urgente necessidade de sermos unicamente ovelhas.   

Pr Joel Machado

Lição 8
A Bíblia – A Igreja e a Ovelha II

“Os Inimigos da Ovelha”
João 10:1-12

  

Verdade Prática
“Fera alguma poderá impedir a atuação do Supremo Pastor em defesa da ovelha”

Textos Bíblicos: Sl 23:1-6

1.      O Senhor é o meu pastor, nada me faltará.
2.      Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranqüilas.
3.      Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome.
4.      Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum,  porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.
5.      Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo,l o meu cálice transborda.
6.      Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

Texto Bíblico Básico
“Eu Sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido" Jo 10:14.

Introdução

Nesta segunda lição focalizaremos os mais expressivos inimigos da ovelha, feras indomáveis e extremamente predadoras, cruéis e capazes não somente de matar ovelhas isoladas, mas também destruir um aprisco inteiro. O próprio Filho de Deus reconheceu o poder de destruição dessas feras dentro do universo espiritual do Evangelho. “Tenho vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; Eu venci o mundo” – João 16:33. O que seria, então, do aprisco das ovelhas e, sobretudo, da própria ovelha, sem a figura destemida, corajosa e determinada do pastor? Estudemos, pois.

A Ovelha e os Estranhos
João 10:5

O vocábulo “estranho”, do latim extraneu, significa: 'externo'; 'que é de fora'; 'estrangeiro'. Etimologicamente, denota “aquele que é de fora; externo, exterior; estrangeiro, alheio, de povo diferente, que é de outra região ou de outra parte” – “indivíduo desconhecido” – No grego transliterado, “estranho” é ksenos <ξενοζ> e denota “estranho, alienígena, alheio, estrangeiro” . Em Jo 10:5, “estranho” é alotrios <allοτριος> e significa: “estranhos”, “alheios”. Que “estranhos” são esses? São vidas espiritualmente estranhas no que tange às Escrituras Sagradas. Geralmente identificam–se como elementos aprisionados a costumes perniciosos à natureza da Igreja de Cristo, e que jamais demonstram interesse em deixar o hediondo cativeiro: Ef. 4:17-20. São pessoas estranhas aos hábitos santos do aprisco das ovelhas do Senhor – 1 Co 6:12. 10:23. Manifestam-se como escarnecedores: Nos versículos de 1 a 7 da 2ª Carta de Pedro, o apóstolo apresenta os escarnecedores como uma classe de pecadores específicos dos últimos dias da  Igreja de Jesus na terra. Quem são os escarnecedores? Críticos irresponsáveis em atos e palavras. O termo escarnecedor, em 2 Pd 3:3 e Jd 18, aparece no grego empektes – . Etimologia: “Manifestação intencional, malévola, irônica ou maliciosa, por meio do riso, de palavras, atitudes ou gestos, com que se procura levar ao ridículo ou expor ao desdém ou menosprezo uma pessoa, instituição, coisa, etc., e até os sentimentos”.
Os estranhos também são adeptos de Belial – do grego belial <βελίαλ> e que significa “inutilidade”, “ruína irremediável”, “maldade extrema e destruição”. Dentro do Novo Testamento a palavra Belial aparece em oposição a Jesus Cristo, em 2 Co 6:15, onde o termo manifesta-se como personificação do mal, da imundície. No Velho Testamento, o hebraico belia'al – manifesta-se como um composto das palavras  beli, que significa 'sem', + ya'al, que significa 'uso', 'valor'. Portanto, moral e espiritualmente, a palavra aponta para pessoas sem valor algum. Em Naum 1:15, Belial sinônimo de “ímpio”. LEITOR: Tomemos extremos cuidados com amizades inúteis aos olhos de Deus – Cautela com fatos e coisas que podem gerar destruição ou ruína interminável. As Escrituras Sagradas, dizem: “Há caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte” – Pv 14:12.

A Ovelha e os Ladrões 
João 10:8a

O Filho de Deus, no Capítulo 10 de João, listou seis tipos de predadores de gado ovino espiritual. São predadores extremamente cruéis e manifestos em todos os tempos e em todos os lugares contra os rebanhos do Senhor. São agentes letais do Inferno. Conheçamo-los:
O Filho de Deus, portanto,  falando dos inimigos do aprisco de Suas ovelhas, usa as expressões “ladrões” no versículo 8 e “o ladrão” no versículo 10   define a existência de um “ladrão” especial contra o rebanho de Cristo>. Os demais outros ladrões que aparecem na listagem do Salvador, tipificam os agentes do “ladrão” do versículo 10 Capítulo 12 de Apocalipse, o passarinheiro do Salmo 91>. Os “ladrões”, primariamente, são os espíritos malignos; depois, manifestam-se na pele de pessoas humanas como falsos crentes, os quais denotam-se como crentes carnais ou satânicos ensinando ou pregando a Palavra de Deus, apascentando apriscos, dirigindo as reuniões dos santos, etc. No cômputo geral, são vidas adestrados para eliminar as riquezas de Deus em Seus filhos. 2 Co 11:13-15. “...temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos e se apartem da simplicidade que há em Cristo” <2 Co 11:3>.

A Ovelha e os Salteadores
João 10:8b



















Epílogo

 






















































A Sensibilidade da Ovelha e o Crente

Sl 6:2. 39:4. Jl 3:10. Mt.26:41. 1 Co 1:27. 15:43. 2 Co 12:9-10. Hb 4:15








Todos os servos do Senhor precisam e devem entender que somos pessoas naturais, fracas, frágeis, quebradiças, expostas a erros e pecados, impotentes, etc. Entretanto, é plenamente possível cumprirmos de forma cabal e brilhante nossa trajetória na terra como filhos de Deus fiéis e aptos para penetrar nas riquezas dos tabernáculos eternos. Os homens e a própria religião criam palavras técnicas [capazes de produzir grandes efeitos emocionais] não somente para justificar nossos fracassos ou nossa pouca maturidade emocional, psicológica, social, espiritual, etc.  mas também para nos justificar. Trata-se de um reconhecimento embasado em transtornos hormonais, emocionais, etc, etc. Do ponto de vista científico até possuem fortíssimas doses de razões. São, no entanto, conceitos que tentam burlar as Sagradas Escrituras. O Senhor jamais nos conhece como um grupo disso ou daquilo, NÃO! O Todo-Poderoso Redentor sempre conhecerá a Igreja como “o” povo santo, zeloso e de boas obras [Tt 2:14]. Precisamos estar nesse grupão. Samuel  manteve-se  imbatível como servo de YHWH desde a infância. Não somente Samuel, mas José, Calebe, Josué, Davi, etc. Daniel, inclusive, serviu unicamente a Deus por  cerca de quase oitenta e dois anos de idade. Não aceitou alimentação babilônica, preferindo manter-se sempre em jejum diante do Senhor. Disse “NÃO!” a um outro tipo de adoração, mesmo sabendo que sua decisão lhe custaria ser lançado numa cova de leões famintos e preparados exclusivamente para devorá-lo. A maior parte de sua vida foi vivida nos luxuosos berços de Babilônia e dos Medos-Persas. Foi conselheiro, estadista político, acumulou cargos de chefia, etc. Em nenhum momento decepcionou o Senhor. Deus o abençoava muito porque sempre dizia “Não!” aos seus contratantes, interessados nos seus serviços, na sua  inteligência. Não tinha esse negócio de mudar os costumes simplesmente porque o novo cargo exigia. Na sua cartilha só existia a palavra “NÃO” para idólatras e imundos. Mesmo que esses idólatras fossem do quilate de Nabucodonozor ou Dario, monarcas amigos e consagrados. Em nenhum momento esses governantes dispensaram-no por ele sempre optar pelo seu grande Deus. Muito ao contrário, recorriam-no nas grandes dificuldades imperiais. Não entendamos esses casos como exceção, e sim como regra de vida com Deus. Aleluia! Afinal, ainda hoje milhares de cristãos idosos conseguem manter-se fiéis a Deus desde a infância. Os conceitos de família, sociais, federativos, igrejas locais,  a religião, etc. certamente permanecerão sempre em rítmo [gr. rhytmós]  de mudança. O rebanho do  Bom Pastor, NÃO!








Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários: