22/06/2010

O Livro do Apocalípse - Parte I


O que é o Apocalipse?
Antes de qualquer questão ou resposta teológica, Apocalipse são fatos: Fatos espirituais antes do arrebatamento, que envolvem a Igreja.
Fatos expectantes durante o arrebatamento da Igreja. Fatos terrificantes depois do arrebatamento da Igreja. Terrificante, do grego εκπληκτικός – ekplikiticós Etimologia: “que causa terror, assustando, apavorando, fazendo medo”.
De quem é o Apocalipse e a quem destina-se?
Apocalipse 1.1 Tradução do grego: Revelação de Jesus Cristo a qual deu a ele Deus para mostrar aos servos dele as coisas que devem acontecer em breve, e que deu a conhecer enviando por meio de o anjo dele ao servo dele, João.
Revelação, portanto, vem do grego αποκαλυψις. A base da revelação divina na Bíblia Sagrada possui em princípio, cinco tipos de manifestações:
1 – Sonhos. Do hebraico halôm e do grego οναρ – onar. Etimologia: “visão no estado em que a pessoa dorme”. 
2 – Visões. Do hebraico hãzôn e do grego οραμα - orama. Etimologia: “aquilo que é visto” – “aparição espetacular”.
3 – Teofanias. θεοφάνεια - Trata-se de uma palavra unicamente grega e de natureza composta: θεος – Theós – Deus. Φανερόω – “aparecer”- “manifestar”. Significado de θεοφάνεια : “Manifestação visível de Deus”.
4 - Anjos. Do hebraico mal’ãk e do grego αγγελος angelos “anjo” -“mensageiro”
5 - Voz Divina Audível. “A voz divina relativa à audição”.

Ap 1.1 - Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e, enviando-as pelo seu anjo, as notificou a seu servo João;
Obs.: Os fatos inseridos no Apocalipse são decisões primárias de Deus, as quais Ele entregou a Jesus, O Filho, para que Este os façam cumprir. Lemos em Jo 5.22: “...o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo Juízo”.

Subdividindo o Apocalipse
1. O Capítulo 1. O Prelúdio do Livro.
2. Os Capítulos 2-3. A Vida da Igreja de Jesus na terra.
3. Os Capítulos 4-20. A Grande Tribulação.
4. Os Capítulos 21-22. A Imagem da Eternidade Futura.

O Capítulo 1
O Capítulo 1 de Apocalipse é a vitrine do livro. Ele subdivide-se em três partes:
A Natureza, o Assunto e o Destino do Livro: 1.1-3
a) A Natureza do Apocalipse: Divina – 1.1
b) O Assunto do Apocalipse: εσκατος – “último, derradeiro, extremo” λογια – “estudo” – “doutrina”.
Entretanto, o termo grego que melhor define o apocalipse , é: αποκατάστασις – apokatástasis, que significa: “restauração de todas as coisas”.
c) O Destino do Apocalipse: 1.4a “...às sete Igrejas da Ásia”.
O Apocalipse é uma mensagem destinada literalmente à Igreja de Jesus.
2. O Estado do Apostolo João: Exilado na Ilha de Patmos Mar Egeu – Grécia – Ap 1.9 3. A Primeira Manifestação da Glorificação de Jesus Após a Ressurreição: Ap 1.12-20

Os Capítulos 2-3 A Igreja de Jesus no decorrer dos Séculos pós Igreja Primitiva.

1ª Fase da Igreja A Igreja em εφέσω – Éfeso Ap 2.1-7 Primeiro Século: O primeiro período espiritual da Igreja na Terra. A igreja do Início e do Fim do Primeiro Amor.

2ª Fase da Igreja A igreja em Σμυρνη – Smyrni Ap 2.8-11. Anos 100-313 d.c
A Igreja em tempo de amargura Ap 2.10.
OBS.: Uma Igreja pobre de valores ministeriais.
Uma das razões da Igreja do Senhor entrar em fase de grande amargura deve-se ao fato de carência Apostólica. O maligno Império Romano praticamente exercera através da espada o extermínio da forte liderança da Igreja, sobretudo, os Apóstolos.Esses homens estavam mortos. A igreja carecia de uma grande e poderosa liderança tipo Paulo, João, Pedro...Esses servos de Deus estavam sepultados.

3ª Fase da Igreja A Igreja em Περγάμω – Pérgamo Ap 2.12-17. Anos 313-600 d.c. A Igreja do Casamento Estranho: “A maligna manifestação da Igreja Católica Apostólica Romana no Universo do Evangelho de Jesus para substituir a Igreja do Cordeiro. Aquela Igreja surgida em Jerusalém”. Início de um grande caos.

4ª Fase da Igreja A Igreja em Θυατείροις – Thyatiris Ap 2.18-29. Anos 600-1517 d.c. A Igreja que tolerava Jezabel.
As duras palavras de Jesus à Igreja em Tiatira
A) Presença de Jezabel tolerada – Jezabel, do hebraico ‘iyzebhel e do grego ιεζαβελ, significa: “montão de lixo”, “casta”. No que tange à carta do Senhor à Igreja em Tiatira, Jezabel é símbolo de perseguição, indiferentismo, luxúria, imoralidade, indecência, idolatria, tirania, usurpação de poder dentro da localidade da igreja.
B) Engano doutrinário – Ap 2.20c
C) Prostituição – do grego πορνέίας – “comércio do amor eros”, “vida moral desregrada”, “entregar-se à devassidão”. Obs.: Havia em Tiatira prostituição espiritual, moral e também física . Ap 2.22.
D) Profundezas de Satanás Ensinamentos de heresias e atos pecaminosos em extremos presentes na vidas de membros da igreja local. Certamente, a expressão “profundezas” indica os pecados de adultério, prostituição e promiscuidade sexual encaixados em membros locais.

5ª Fase da Igreja A Igreja em Σάρδεσιν – Sárdesin A Igreja Aparente Ap 3.1-6. Anos 1517-1648 d.c. Sardes foi uma das cidades legendárias da Ásia Menor, onde hoje é a Turquia.
O período espiritual da Igreja representada pela localidade de Sardes, vem logo após a promulgação da Reforma Religiosa através de Martinho Lutero, teólogo e reformador alemão – 1483 a 1546. Foi um período de poucos cristãos sérios na terra. A Reforma Religiosa foi uma obra de Deus necessária, porém muitos cristãos foram massacrados pelo sistema papal chamado de:
INQUISIÇÃO
Antigo tribunal eclesiástico instituído com o fim de investigar e punir crimes contra a fé católica. Segundo os papas, a finalidade da inquisição era matar os “hereges” em nome de Deus.

Sexto Período da Igreja
Uma Igreja Sem Aparência
Uma Igreja Rica e Devassa
Λαοδικέια  - Laodikia.  Do ano de 1900 até o arrebatamento da Igreja.
Laodicéia é o nome procedente da profana Laodike, esposa do injusto e também profano Antíoco II.
Φιλαδελφεία - Filadélfia. A Igreja sem aparência A Igreja orientada e direcionada pela Palavra de Deus.
Filadélfia e Laodicéia anunciam o fim da dispensação da graça de Deus na Terra.
O destino de Filadélfia: O Céu.
O Destino de Laodicéia: A Grande Tribulação
Filadélfia é o trigo da Lavoura espiritual.
Laodicéia é o joio, não da lavoura, mas do trigo.
Filadélfia são os cristãos simples.
Laodicéia são os cristãos soberbos, presunçosos, independentes da Palavra de Deus, debochados, críticos irresponsáveis.
Filadélfia é a Igreja amada.
Laodicéia é a Igreja que jogou Jesus para fora de sua vida, de seus hábitos, de seu testemunho pessoal...Jesus a essa igreja disse: “Estou à porta e bato”.

Em Breve...II Parte estudo "O Livro do Apocalipse".


Adelson R. Buenos
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

1 comentários:

Tábata Rosa disse...

Amo esse trecho de Apocalípse que trata das cartas endereçadas às 7 Igrejas da Ásia Menor. As Igrejas de Laodicéia e Filadélfia, especialmente, me chamam mais atenção, por se referirem à nossa atual dispensação, que antecede o arrebatamento da Igreja. A comparação entre essas duas é muito interessante pois hoje temos de escolher a qual das duas pertencer. No meu ver, hoje estamos nos dias de Laodicéia, onde práticas religiosas deploráveis estão a ser praticadas e muitos tem se iludido por elas. Temos de ter muito cuidado, pois sabemos que Mundo e Igreja são incompatíveis. Não podemos levar uma vida que agrada a Deus com um pé no Mundo e outro na Igreja. O Senhor declara que antes fôssemos completamente quente ou completamente frios, pois o morno Ele o vomitará de Sua boca.É válido ressaltar que Ele deixa claro também que castiga a todos quanto ama. Se ainda estivermos como Laodicéia é tempo de se lembrar desse amor, arrepender-se e se voltar para Ele. Concluindo, apesar de estarmos nos dias de Laodicéia, Filadélfia é a Igreja remanescente, que se recusa a morrer, que se recusa a prostrar perante as práticas imundas de Laodicéia. Ainda que poucos, permanecem e querem fazer a diferença. Cabe a nós hoje decidir o que queremos ser.